Sindicato dos Trabalhadores em Saúde e Previdência Social no Estado do Piauí - SINTSPREVS/PI
Boa Tarde! Teresina, 23 de setembro de 2019
14/06/2019 - 05:43

Greve Geral de 14 de Junho parou transportes coletivos, escolas, comércio e bancos em Teresina-PI
Transportes coletivos parados, escolas fechadas, ruas e comércio do centro vazios, lojas e bancos fechados. Em Teresina-PI, esse foi o saldo da Greve Geral desta sexta-feira, 14 de junho, que foi puxada pelas centrais sindicais contra a reforma da previdência.  A concentração teve início as 8 h, na Praça Rio Branco, centro da capital piauiense. Depois os manifestantes seguiram em caminhada, fazendo paradas e discursos em frente a Prefeitura de Teresina, Setut, Correios e o Karnak. Passaram pela avenida Maranhão, a rua Paissandú e pela avenida Frei Serafim. Cerca de 3 mil pessoas participaram da paralisação que foi convocada pelas centrais sindicais: CUT, CTB, Força Sindical, CGTB, CSB, UGT, Nova Central, CSP- Conlutas e Intersindical.  O protesto foi acompanhado de carros de som, bandeiras, batucadas, cartazes. Lideranças sindicais e estudantis se revesaram falando palavras de ordem contra a reforma da previdência e em defesa da educação e por mais empregos. Antônio Machado, presidente do Sintsprevs-PI, avaliou que a greve geral serviu para esclarecer o povo brasileiro o que está acontecendo no Brasil, sobretudo, sobre as consequências da reforma da previdência, que vai trazer cortes de direitos na área de aposentadorias. "O nosso país está hoje de ponta a cabeça, especialmente após os vazamentos das conversas do juiz Sérgio Moro com o procurador Dallagnol que precisam ser esclarecidas, pelo Congresso Nacional e principalmente pelo Supremo Tribunal Federal, que são responsáveis para dar uma resposta a população. Tanto Moro quanto Dallagnol não podem ficar impunes. Quanto a reforma da previdência estamos com o pé atrás, pois não podemos acreditar num governo que vive mentindo; dizem que tiram alguns dos itens da reforma que prejudica o povo, mais a gente não pode acreditar. Portanto, essa greve está trazendo uma grande repercussão no país e a expectativa é que esse movimento cresça e a previdência deixe de ter um fim trágico e triste". No Piauí a greve geral teve o apoio de 18 categorias de trabalhadores: urbanitários, educação, municipais, bancários, metroviários, construção civil, saúde, rodoviários, comerciários, previdenciários, polícia rodoviária federal, polícia civil, rurais, correios, Ufpi, Ifpi, Adcesp e fazendários.  Para Vagner Freitas, presidente nacional da CUT, "a greve geral faz parte da luta para garantir que os brasileiros tenham direito a se aposentar, tenham direito a seguridade social”. Crescimento e reforma tributária     O presidente da CUT destacou que as pressões junto parlamentares vem surtindo efeito. "As mudanças no projeto da Reforma da Previdência são um recado dado pelos deputados ao governo também por conta da pressão que sindicatos e movimentos fizeram nas bases desses políticos, deixando claro que quem votar naquela proposta não volta mais para Brasília. "Os deputados e senadores sabem que a Reforma da Previdência é impopular. E viram que muitos deles ficaram em casa depois das eleições por terem votado pela Reforma Trabalhista". "A CUT discorda da visão de que a forma de sair da crise econômica é aprovando a Reforma da Previdência. O problema da economia é que Paulo Guedes e Jair Bolsonaro não têm uma política para o crescimento econômico, para geração de emprego e renda, para a formalização de trabalhadores. Queremos emprego com carteira azul e não com carteira verde e amarela", afirmou, referindo-se à proposta apresentada pelo governo da criação de um contrato de trabalho negociado individualmente para jovens ingressantes no mercado no qual as proteções da CLT não precisariam vigorar. "Precisamos de uma Reforma Tributária que reduza a cobrança sobre os salários e volte a cobrar dividendos. Queremos saber se o governo vai punir realmente os sonegadores. Cadê a discussão sobre isso? Aparece apenas que a culpa é da pensão, dos aposentados especiais, da idade mínima." Acessepiaui



últimas notícias:

20/09 | Fenasps e Sindicatos negociam com Geap mensalidade menor
13/09 | Categoria terá reunião para debater sobre planos de saúde
06/09 | Governo quer fim da estabilidade e reduzir jornada e salário de servidores
30/08 | Previdência: Quais as maldades no texto que está no senado?
23/08 | Incêndios na Amazônia elevam pressão mundial contra Bolsonaro
23/08 | Senadores rejeitam liberação do trabalho aos domingos
16/08 | Marcha das Margaridas reúne em Brasília 100 mil mulheres em defesa da terra
09/08 |
07/08 | Sintsprevs-PI pressiona deputados votarem contra reforma
05/08 | Fenasps e Sintsprevs-PI reafirmam defesa do SUS na Conferência Nacional de Saúde
02/08 | Conferência Nacional vai debater saúde como direito humano
31/07 | Fenasps repudia falas de Bolsonaro contra presidente da OAB e indígenas
30/07 | Sindicatos denunciam parlamentares do PI que votaram pela reforma. Foram usados cartazes, out door e as redes sociais para mostrar os traidores.
14/07 | Aposentadorias: texto aprovado pela Câmara em 1º turno
12/07 | Centrais e Sindicatos vão pressionar senadores em defesa das aposentadorias
11/07 | Reforma aprovada na Câmara destrói sistema solidário e aumenta a desigualdade
05/07 | TCU condena ex-gerente do INSS - PI e pregoeiro por direcionar licitação
05/07 | INSS precisa de 16 mil novos servidores. Governo recusa concurso e aposta em atendimento digital, só que 63 milhões de brasileiros não têm acesso a internet.
05/07 | Comissão da Câmara aprova relatório da reforma da Previdência
28/06 | Ibope: 51% do povo não confia em Bolsonaro e 48% desaprova
CONTATOS
  • SINTSPREVS-PI
    Rua Desembargador Freitas, 879, Centro
    Cep: 64.000-240
    Tel: (86) 3223-3988
    sintsprevs@bol.com.br